Verba pública desviada do fundo partidário foi parar na campanha de Bolsonaro, afirmam as três principais suspeitas do esquema dos laranjas

Reportagem da Folha de São Paulo de hoje colocou mais pressão sobre a campanha de Bolsonaro. Uma das três mulheres suspeitas no esquema dos laranjas disse que todos os dias um contêiner com material gráfico saía do comitê do partido para ser distribuído em todo o estado, “pois todos os candidatos do partido produziram material para Jair Bolsonaro

As três candidatas são investigadas por terem recebido R$ 781,6 mil em dinheiro público do PSL apesar de não haver sinais de que tenham feito campanha efetiva, caso revelado pela Folha em fevereiro.

A maior parte desse dinheiro foi para uma mesma gráfica, a Itapissu. Em fevereiro, a reportagem visitou endereços informados à Receita Federal e à prefeitura e não encontrou sinais de funcionamento. 

Uma das suspeitas é a de que a verba destinada para cumprimento da cota mínima exigida por lei para candidaturas femininas (30%) tenha sido desviada para outros candidatos. Os depoimentos mostrados hoje levam à suspeita que Jair Bolsonaro pode ser um desses candidatos.

Para ler a reportagem completa acesse o site da Folha: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/11/investigadas-em-esquema-de-laranjas-do-psl-dizem-que-verba-delas-ajudou-bolsonaro.shtml

1 comentário em “Verba pública desviada do fundo partidário foi parar na campanha de Bolsonaro, afirmam as três principais suspeitas do esquema dos laranjas

  1. Ele vai pedir desculpa a justiça, vai termina em pizza como outros crimes , ele chefe da liga da milícia que se estalou no poder de todos os órgãos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: