Auditoria dos EUA confirma: BNDES foi alvo de fake news e caixa-preta não existe

Do site PODER 360

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) divulgou na noite desta 3ª feira (11.dez.2019) o relatório que encomendou para checar se houve prejuízo na operação em que aportou dinheiro na JBS, a empresa dos irmãos Joesley e Wesley Batista. Segundo o texto, “a Equipe de Investigação não encontrou durante sua análise nenhuma evidência direta de corrupção em conexão com as operações”.

Elaborado pelos escritórios Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP e Levy & Salomão Advogados, contratados pelo BNDES. Leia a íntegra aqui.

Atualmente, o BNDES tem 21,3% do capital da JBS. Essa participação hoje vale R$ 14,9 bilhões. O banco já investiu R$ 8,1 bilhões na companhia e pretende sair do negócio. Tratou-se, portanto, de uma operação lucrativa.

POR QUE ISSO IMPORTA

O procurador Ivan Marx, do Ministério Público Federal em Brasília, entrou na 3ª feira (11.dez) com pedido na Justiça para que a JBS pague R$ 21 bilhões para ressarcir o BNDESPar (braço do BNDES que cuida de participações acionárias). O procurador diz ter identificado irregularidades nos investimentos do bando de fomento no período de 2007 a 2011.

Ivan afirma ainda que o empresário Joesley Batista omitiu as informações em seu acordo de delação premiada.

O relatório dos 2 escritórios é 1 golpe considerável na tese do procurador. Sob a gestão do governo Jair Bolsonaro, o BNDES recebeu mandado para fazer uma devassa nesse tipo de operação –ou, como se diz, “abrir a caixa preta”. Mas mesmo a auditoria do próprio banco de fomento não detectou os crimes citados por Marx.

NOTA DA JBS

A companhia manifestou-se a respeito do pedido de indenização de Ivan Marx. Eis a íntegra da nota:

“A J&F, JBS e colaboradores confiam no MPF e na Justiça brasileira, a despeito da condução do procurador Ivan Marx à frente da Operação Bullish. O colaborador não pode inventar versões para satisfazer uma tese acusatória. Colaborador colabora. Investigador é quem investiga. Apesar de todas as pressões, a J&F tem se mantido fiel aos fatos.

O BNDESPar teve retorno de R$ 20,5 bilhões, em valores atualizados, sobre o capital investido na JBS. A participação do banco na empresa vale hoje R$ 15,1 bilhões. Trata-se do melhor investimento do banco no setor.

É inacreditável, inaceitável e desleal que se usem as informações trazidas pelos colaboradores contra eles mesmos, que contribuíram para que o MPF chegasse até elas. Como reconheceu recente decisão da Justiça que rejeitou a mesma denúncia, mas em âmbito criminal, os relatos feitos pelos colaboradores da J&F à Operação Bullish serviram para descortinar inúmeros fatos, até então desconhecidos pelas autoridades.

Os executivos da J&F e JBS firmaram amplo acordo de colaboração com o MPF, homologado pelo STF, bem como todas as suas controladas firmaram acordo de leniência. Juntos, pagarão 11 bilhões de reais a título de indenização, a maior de que se tem registro no mundo.

Durante as negociações do acordo de leniência, o procurador Ivan Marx participou ativamente, esteve em todas as reuniões, exceto na data da assinatura. Sua divergência, ainda não solucionada com seus pares, consistia em discutir a destinação dos recursos da leniência. A empresa confia no MPF e na Justiça para dar segurança jurídica ao que foi firmado nos acordos em 2017. E vai se manifestar assim que for intimada.”

psx_20191103_031546-1136136931053856075.jpg

3 comentários em “Auditoria dos EUA confirma: BNDES foi alvo de fake news e caixa-preta não existe

  1. Claudilea Pinto

    Essa gente não tem cognição para entender o que é mentira ou verdade. Gente imbecilizada. Desde 2018 tem vídeos, tem matérias mostrando para que serve o BNDES…não tenho mais paciência

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: